A União faz a Força

Em algum momento da pré-história a relação com estranhos passou a ser necessária. Provavelmente, isso aconteceu no momento em que grupos de hominídeos começaram a se fixar em uma mesma região, e a viver em grupos cada vez maiores. E foi aí que nasceu a forma mais primitiva de amizade. “Os amigos fornecem um suporte social para os primatas” diz o antropólogo Robin Dunbar, da Universidade de Oxford.

A União faz a ForçaHá cerca de 10 mil anos, a ocitocina ganhou um papel maior. O homem fez sua primeira grande invenção – A agricultura, que viria a revolucionar a relação da espécie com o alimento. Mas ela só daria certo se tivesse a colaboração de vários indivíduos. Aí, a ocitocina deixou de ser uma coisa de família para agir em prol da sociedade e facilitar a formação das alianças que a humanidade precisava. Ela nos condicionou a fazer amigos.

Experiências feitas na Universidade da Califórnia comprovam que, quando a gente conhece uma pessoa que nos pareça confiável, o nível de ocitocina no cérebro aumenta. Ou seja: graças a ocitocina aprende-se a transformar algo que era  necessário à sobrevivência  – A cooperação em prazer.

Fonte: Ed. Abril. Revista Superinteressante. Amizade porque é impossível ser feliz sozinho. Fevereiro de 2011, p. 46-53.


Sadi Zamin
Administrador com Habilitação em Agronegócios; Pós Graduado em: Administração e Estratégia Empresarial; em Gestão Empresarial; e em Gestão Estratégica de Pessoas. Consultor e Fundador da Humanizare Desenvolvimento Pessoal e Profissional. Contato: sadi@humanizare.com.br

Sadi Zamin

Comentários

Artigos Relacionados